Era um anjo!


Ele soprava um hálito quente em minha nuca. Sentia a sua voz em meus pensamentos: era suave, pausada e doce. Pedia que eu ficasse. Não pude! Entendia que os anjos não são nossos, mesmo quando estão conosco. Não poderia estar comigo o tempo todo. Era necessário dividir sua divindade e dúvidas. O anjo queria amar! Ah, Rilke! Tiveste razão em dizer que "os anjos são terríveis". Nos protegem, nos alucinam, nos instigam... Mas, eles não podem amar! Somos apenas pessoas comuns. Como amar pessoas comuns?!
Anjo! Seja benigno e ouça:
Aqui estou, refém da tua presença. Contaminada por tua existência. Aguardando que tu caias do céu...

Fog...lift me up, give me wings, and let me travel the world. {explored} - No Flickr - luke smithers

2 comentários:

Mulher Super Sapiens disse...

Lindas palavras... Sabe, às vezes eu desejo tanto um anjo pra cuidar da minha vida, mas parece que por essas bandas de cá só me voa urubu, anjo que é bom, nécas. Mas bem que não perco a esperança, kkkkkk.
Seus textos são lindos, lindos, lindos!
Bjocas!

Danitza disse...

Oba! Vc por aqui?!

Olha, eu já cheguei a conclusão que os urubus são as pragas da modernidade... Mas aí tem um perigo, urubu gosta de carniça. Então vamos chamar os bichinhos de outra coisa?! rsrsrs. Eles não merecem, mas nós merecemos.

Beijão e continuamos na luta.